A importância dos Indicadores Financeiros

A importância dos Indicadores Financeiros

Indicadores financeiros são utilizados para medir o desempenho e o quão saudável está ou não a situação financeira da sua empresa.

Os indicadores financeiros são calculados a partir das principais demonstrações financeiras das empresas:

  • O Balanço Patrimonial;
  • A DRE (Demonstração do Resultado do Exercício);
  • O DFC (Demonstrativo do Fluxo de Caixa).

Eles são uma fotografia clara da situação e desempenho financeiro das empresas e cumprem 3 funções básicas:

  • Diagnosticar o desempenho passado;
  • Fornecer parâmetros e contribuir para o estabelecimento de metas para o planejamento financeiro;
  • Ser a base para o monitoramento da execução desse planejamento.

Os indicadores financeiros podem ser agrupados em 5 categorias:

  • Indicadores de Liquidez: capacidade de cumprir obrigações a curto prazo;
  • Indicadores de Estrutura de Capital e Endividamento: nível de dívida a longo prazo utilizado para gerar lucro;
  • Indicadores de Lucratividade e Rentabilidade: mensuração do lucro da empresa em relação ao patrimônio;
  • Indicadores de Valor de Mercado: avaliação do valor da empresa em função do preço da ação;
  • Indicadores de Atividade: medem o período de conversão das contas em vendas ou entradas e saídas de caixa.

Com a correta apuração dos indicadores, a empresa pode identificar a necessidade de melhorar ou manter os resultados atuais.

Ou seja, analisar os principais indicadores financeiros é ter informações para entender a situação atual e condições para traçar novos horizontes.

Sem eles, é o mesmo que fazer uma viagem sem um destino definido.

A importância dos relatórios financeiros: como avaliar a saúde financeira de uma empresa

Podemos afirmar que uma boa organização financeira é fator determinante para uma gestão eficaz de uma organização. Assim, é importante que as informações relativas às finanças sejam apresentadas de maneira clara. Dessa forma, podem evidenciar o estado de viabilidade em que a empresa se encontra.

Os dados produzidos pelos relatórios deverão trazer os principais indicadores financeiros que sejam úteis para a tomada de decisões, que muitas vezes deverá ser feita com agilidade.

Para isso, devem auxiliar a como avaliar a saúde financeira de uma empresa. Dessa forma, em nada contribuem os relatórios extensos com os quais nos acostumamos, ainda que sejam completos em sua análise.

Uma gestão moderna requer que os dados sejam sintetizados e organizados de forma tal que propiciem uma análise rápida e eficiente.

Afinal, o que são indicadores financeiros, se não uma forma sintética de como avaliar a saúde financeira de uma empresa rapidamente?

Organizações que adotam esse modelo enxuto, só com os principais indicadores financeiros para a análise de uma empresa, podem se considerar em vantagem competitiva em relação às demais. Uma vez que o utilizam como ferramenta que facilita a tomada de decisões.

Vale lembrar que o método pode ser adotado por qualquer empresa, independente do seu porte ou segmento em que atua. Apontaremos, abaixo, como alguns dos principais indicadores financeiros podem evidenciar a saúde de uma empresa.

 

9 principais indicadores financeiros de uma empresa

São eles:

1. Fluxo de Caixa

Os indicadores financeiros demonstrados pelo fluxo de caixa são extremamente importantes.

Um dos grandes motivos de falência das empresas é o fato de não gerenciarem adequadamente o que entra e o que sai no caixa da organização.

Trata-se de uma ferramenta que permite avaliar os resultados diariamente e projetar estimativas futuras.

2. Resultado Operacional de Caixa

É o quanto de caixa a operação da sua empresa gera sem levar em conta itens como empréstimo ou retirada de sócios.

Fatores não operacionais maquiam resultados, por isso é importante observar a saúde da operação pura, sem a influência de itens que não fazem parte do objetivo da sua empresa, para fazer um bom planejamento de recursos.

3. Geração de Caixa

É a última linha do fluxo de caixa. É o quanto sobrou ou faltou, efetivamente.

Uma geração de caixa positiva não é necessariamente algo bom, por isso é importante se analisar em conjunto dos demais indicadores.

Ao apurar-se um resultado positivo da geração de caixa, devemos nos perguntar se os resultados futuros poderiam ser ainda melhores. Porém, caso o resultado encontrado seja negativo, deve-se avaliar a gestão e verificar o que ocasionou o resultado inesperado.

O velho ditado ainda se faz presente por aqui:

“Faturamento é ego, lucro é conceito e o caixa é rei”.

4. Resultado Operacional

Olhando para a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), é fundamental analisar o resultado operacional.

Esse indicador avalia toda a operação da empresa. Após apurar os ganhos, deve-se ainda deduzir as despesas operacionais. Ou seja, gastos necessários para que a empresa se mantenha em funcionamento. Trata-se das despesas como aluguel, telefone, salários, encargos trabalhistas, gastos com marketing, etc.

A fórmula de cálculo é se faz subtraindo das receitas as deduções, os custos variáveis, e as despesas operacionais.

Na DRE você obtém o resultado de sua competência, o verdadeiro potencial do modelo do seu negócio.

5. Resultado Líquido

É o famoso lucro, que também pode enganar.

Fica na última linha do demonstrativo contábil de resultados.

O lucro não leva em conta:

  • os riscos de empreender;
  • o custo de oportunidade do capital empregado;
  • se há ou não dinheiro em caixa.

Ter lucro não significa, necessariamente, ter sobra de dinheiro na empresa, até porque na DRE não são consideradas saídas como empréstimos, compras de imobilizados, estoques não vendidos e retiradas de sócios.

Lucro pode ser uma ilusão: cuidado com ele!

6. Ponto de Equilíbrio

É o valor que você precisa faturar para pagar todos os gastos da empresa, como custos variáveis e despesas fixas.

É um ótimo indicador para orientá-lo em suas metas de faturamento e pode ser usado para se comparar com os dois demonstrativos, tanto no de resultados como no de fluxo de caixa.

Acompanhe suas metas, identifique possíveis desvios e crie ações corretivas para atingir seus resultados.

É um indicador básico para a análise de qualquer negócio.

O ideal é que sua empresa supere o ponto de equilíbrio, pois é a partir desse ponto que ela começa a ser lucrativa.

7. Retorno sobre investimentos

Talvez, seja o indicador mais importante.

Seu cálculo é simples: divisão do lucro líquido pelo total de ativos do balanço.

Vale a pena continuar com esse negócio?

É ele que vai te responder se a sua empresa é viável ou não, se for calculado corretamente baseado em números confiáveis.

8. Valor da empresa

Quanto vale o seu negócio?

Será que a soma de seus ativos é o valor de seu negócio?

E o valor intangível de sua marca?

O que vale mais? Ativos tangíveis ou uma ideia que gera muito dinheiro?

9. Controle orçamentário

O orçamento empresarial é um dos principais indicadores financeiros utilizados pelas organizações na tentativa de prever receitas e despesas em um determinado período. Assim, é possível alocar recursos para aquilo que se almeja realizar.

Trata-se, portanto, de uma importante ferramenta de gestão, pois o seu acompanhamento permite que sejam apurados o cumprimento das metas, a utilização correta dos recursos e, diante de alguma inconsistência entre o que fora previsto e o realizado, tomar medidas que possibilitem retomar a proposta inicial.

Os indicadores apontados acima são relativamente fáceis de serem calculados. O importante é que a empresa possua um sistema que permita a organização desses dados, bem como a sua exposição, de maneira que facilite aos gestores a sua análise para saber como avaliar a saúde financeira de uma empresa.

Para isso, é preciso que o gestor entenda o que são indicadores financeiros e saiba agir de acordo com o que eles demonstram em relação à saúde da sua empresa.

Como você pôde ver, sem o controle de indicadores não há como controlar uma empresa, seja na área financeira ou em qualquer outra.